domingo, 17 de abril de 2011

Arma de jeito nenhum, ou cada caso é um caso?



Sou totalmente contra a utilização de armas.
Arma é para os covardes. O homem de verdade não precisa dessa muleta.
A violência começa na presunção.



Porém, sou a favor de uma lei que contemple seu uso sob determinadas circustancias. Como vivemos em um país de dimensões continentais e com fronteiras onde há diversos tipos de embates. Onde os povos indígenas se armam. Onde há florestas, bosques e locais descampados, em que animais selvagens podem fazer dos humanos suas vítimas potenciais. Não há como se negar que as armas serão úteis nesses casos.



Agora, armas nas mãos de qualquer um é só nos filmes de farwest. Nos grandes centros deve prevalecer o bom senso, nada de armas nas mão de pessoas desabilitadas e principalmente de quem supostamente as tem em casa pensando que isso lhe daria uma vantagem em relação a algum bandido que por ventura venha a invadir seu domicílio.



Só em filme de bang-bang que o mocinho saca a arma e atira mais rápido que o bandido.
Sou a favor da prevenção e previsão. Se as pessoas passarem a ter atitudes proativas, e ensinarem seus filhos a tê-las também, dificilmente será necessário ter uma arma em casa. Hábitos como trancar portões e portas, não delongar em conversas nas imediações da casa em certos locais onde sabe-se que há perigo. Ter por hábito a mudança no itinerário para evitar o óbvio de ser facilmente seguido, também já ajuda.



Não imputo nas armas o maior dos males. Sou totalmente contra a proibição. Mas, sou totalmente a favor que seja dado o direito de possuí-las apenas aos entes do Estado, preparados para usá-las e aos cidadão que vivem em locais ermos em selvas ou descampados.

Nenhum comentário:

MSN

Indicador de Status

ESTATÍSTICA