quinta-feira, 15 de maio de 2014

A CRIMÉIA E A TERCEIRA GUERRA MUNDIAL

O medo de uma terceira guerra mundial é totalmente infundado. Ninguém a quer, tudo não passa de um jogo de cena no teatro da geopolítica mundial. Explicarei o porquê.


Para começo de conversa, o povo da Criméia se sente russo, se acha russo, fala e age como russo. Além do mais, depende dos russos, portanto, só nesse sentido a Criméia é Rússia. Mas ela teve a chance de independer e preferiu pertencer a Ucrânia e não a Rússia.

Por que não uma república da Criméia? Tornar-se a região da Criméia em um país independente e o povo decidindo de que lado fica seria só mais um retalho na colcha de retalhos que é a Europa e em especial os países da CEI. 


O medo infundado é o de permitirem que a Rússia tenha uma saída pro mar, mas se a Rússia quiser sufocar boa parte da Europa bastaria cortar o suprimento de gás. Mas aí, até ela se sufocaria. A melhor solução seria tornar a Criméia independente. Falar nisso, Criméia parece nome de prima feia. Quanto ao Putin, ele é o menos pior pra Rússia não se esfacelar.

 A Crimeia proclamou sua independência em 5 de Maio de 1992, mas concordou mais tarde permanecer parte integrante da Ucrânia como uma República autônoma. Bastaria se proclamar independente...


Por trás de toda a celeuma se encontra o verdadeiro motivo da contenda que é o gás exportado pela Rússia para a União Europeia e que precisa contar a chantagem da Ucrânia, pois os principais gasodutos passam pelo seu território.


Não pensem que a intenção dos Estados Unidos é genuína, que eles querem a democratização e a paz no local. Longe disso, o interesse da grande águia do norte é fincar suas garras num naco de dependência dos europeus por combustíveis para enfrentar seu rigoroso inverno. 


A razão é só econômica, pois os americanos descobriram uma imensa jazida de gás de xisto em seu território e que querem enviar pra Europa. Mas isso será pra um futuro distante, mas o alicerce já está sendo colocado hoje. O Tio Sam nunca joga pra perder. 

Nenhum comentário:

MSN

Indicador de Status

ESTATÍSTICA